[ editar artigo]

O que um jornalista pode fazer? As diversas áreas de atuação e seus desafios

O que um jornalista pode fazer? As diversas áreas de atuação e seus desafios

Olá, alunos e demais leitores!

Espero que todos estejam bem e devidamente protegidos.

Retorno para dar continuidade ao assunto que tratei no meu primeiro post aqui na Ucam Academy, sobre a realização do sonho de tornar-me jornalista.  Naquela publicação, contei como comecei e algumas das percepções que tive ao longo de dez anos de atividade na imprensa.

Ao final, prometi que comentaria, de forma mais específica, sobre as experiências que tive no mercado de trabalho. E é esse o tema deste post.

Em primeiro lugar, é importante destacar que o jornalista é um profissional presumivelmente versátil.

Em um único dia de trabalho em uma emissora de televisão, por exemplo, um repórter precisa levar aos espectadores reportagens sobre crimes, campanhas sociais e eventos culturais e ainda entrar ao vivo em uma entrevista com o secretário municipal de Educação. Esses são apenas exemplos, mas a realidade não é muito diferente.

Para abordar assuntos tão diversos, o jornalista precisa ser, sobretudo, curioso, flexível e proativo.

Mas é importante lembrar que o trabalho do jornalista não se resume ao que é o mostrado na TV ou nas páginas de um jornal digital/impresso.

O campo de atuação de um profissional de comunicação é vasto!

Eu mesma, durante a minha trajetória, já passei por algumas posições bastante diferentes.

Então vocês me perguntam:

Afinal, onde um jornalista pode trabalhar?

Se a minha resposta for: “em toda e qualquer espécie de empresa, jornalística OU NÃO”, vocês ficarão surpresos, mas essa é a verdade!

Além das emissoras de TV e rádio e dos jornais, veículos caracterizados por transmitir informação à população,  o profissional do jornalismo pode prestar seus serviços a qualquer empresa e órgão público que precise alinhar a comunicação interna (entre funcionários) e/ou externa (da empresa para o público consumidor). 

Abaixo, explico, em linhas gerais, quais são as áreas em que um jornalista pode atuar a partir de uma abordagem específica — todas elas com destaque na graduação em Jornalismo:

REPORTAGEM

Essa talvez seja a área mais conhecida, uma vez que o repórter é aquele que lida diretamente com o público, seja ao vivo, nas ruas; seja pela TV, pelas reportagens dos telejornais; seja na Internet ou no jornal impresso, por meio dos textos. 

Toda notícia que você lê em um jornal ou a qual assiste na televisão foi (ou deveria ter sido) conduzida por um repórter. 

É ele quem vai até o local em que os fatos ocorrem, ouve personagens, testemunhas, especialistas e, depois, sintetiza todas as informações em um texto ou em um vídeo narrado e coberto por imagens. 

Essa costuma ser a área favorita daqueles profissionais curiosos, perspicazes, que gostam de conversar com as pessoas, escutá-las e também de contar histórias. 

Durante a maior parte da minha carreira, eu atuei como repórter de jornais impressos e digitais e costumo dizer que esse é um dos campos mais desafiadores. Não somente devido à imprevisão, mas também em decorrência da agilidade que é necessária para que o trabalho seja entregue aos leitores/espectadores o mais rapidamente possível. 

Em tempos em que as notícias ocorrem a todo o momento, o repórter precisa estar sempre atento e disposto a mudar tudo o que já havia feito de uma hora para a outra. Essa adrenalina típica da reportagem geralmente, vicia! (risos)

Muitos repórteres costumam dizer que, uma vez atuando nessa área, é impossível abandoná-la. 

PRODUÇÃO 

Quando se fala em telejornalismo, é importante lembrar que o repórter não trabalha sozinho. Além do cinegrafista, que o acompanha nas ruas, ele conta ainda com o trabalho dos produtores. 

São eles que, de dentro da redação, escolhem os temas das reportagens, buscam os especialistas e personagens, fazem os primeiros contatos, resumem a história, pensam nas imagens que podem complementá-la e, posteriormente, passam para o repórter que vai para as ruas executar essa tarefa. 

O produtor é, então, a base de tudo a que você, espectador, assiste nos telejornais

Trata-se de uma função tão desafiadora quanto à reportagem, até porque, uma não existe sem a outra. O cerne da produção está no trabalho em equipe. 

Eu também já trabalhei como produtora e acredito que me sentia mais desafiada nessa função do que como repórter. Isso porque a apuração é feita de dentro da redação, sem o contato "cara a cara" com a fonte, o que torna o processo mais distanciado.

APRESENTAÇÃO

Um jornalista também pode ser um apresentador. Além dos telejornais, muitos programas de TV, de entrevistas ou mesmo de entretenimento, são apresentados por jornalistas formados. 

Na graduação em jornalismo, o estudante aprende a se posicionar de frente para uma câmera e a se comunicar com o público de maneira cativante, porém sucinta e objetiva. 

Essa é a função do apresentador: mediar um assunto e levá-lo para o público de maneira com que ele compreenda e, hoje mais do que nunca, interaja. 

EDIÇÃO

Também pode ser função do jornalista editar textos e imagens. Essa é uma função indispensável em mídias televisivas e impressas. 

O editor seleciona as imagens feitas pelos cinegrafistas e que "cobrirão" os textos escritos pelos repórteres na TV. É também o editor quem lê esse texto e faz mudanças, de modo que o leitor possa melhor compreendê-lo. E, no caso dos jornais impressos, o editor ainda é o responsável por adequar o texto à diagramação. 

Hoje, temos ainda os editores de mídias digitais, responsáveis por organizar o layout dos sites de notícias e selecionar materiais para as redes sociais, por exemplo. 

COMUNICAÇÃO DIGITAL

O trabalho de um editor de mídia digital é mais especificamente reconhecido como oriundo do campo de "comunicação digital". 

Um jornalista que atua nessa área é aquele que cria conteúdos para as redes sociais. Basta entrar na conta do Instagram ou do Twitter de uma grande empresa para você observar o trabalho desse profissional. 

Ele escreve textos para o Facebook, Twitter e legendas de fotos no Instagram, escolhe as imagens que serão publicadas nessas mídias, grava vídeos para os InstaStories e IGTV...

Essa função também é chamada de "criação de conteúdo" e costuma  ser bastante requisitada em agências de publicidade.

Eu tive uma curta experiência como criadora de conteúdo de uma agência e, hoje, atuo como editora de mídia online no Jornal Terceira Via, de Campos dos Goytacazes, e sou apaixonada por essa área!

ASSESSORIA DE IMPRENSA/DE COMUNICAÇÃO 

Em geral, o assessor de imprensa é aquele responsável por estabelecer a mediação entre uma empresa/artista/atleta/órgão público etc. e os veículos de comunicação

Ele é o porta-voz do seu cliente: divulga seu trabalho (por meio de textos, vídeos, marcação de entrevistas etc.) e gerencia eventuais crises relacionadas à sua imagem.

Quando uma empresa se envolve em um escândalo, por exemplo, é o assessor de imprensa quem se comunica com os veículos de comunicação ao escrever textos de retratação ou mesmo orientar o presidente dessa empresa sobre o que deve ou não falar com os jornalistas em uma entrevista. 

Essa é uma função também bastante desafiadora, uma vez que o assessor precisa ser o maior defensor daquela empresa/personalidade/órgão ao qual ele oferece seus serviços

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL/INSTITUCIONAL

Se, para o sucesso de uma empresa, é importante que haja uma comunicação  clara entre ela e os seus possíveis clientes (comunicação essa mediada pelos veículos de imprensa por meio do trabalho do assessor), é tão importante quanto que a comunicação entre os funcionários dessa empresa também seja precisa

Essa é a missão do jornalista que exerce a função de comunicador empresarial/institucional. Ele é o responsável por unir a equipe de modo com que todos que façam parte dela tenham o discurso alinhado aos valores daquela instituição. 

Nesse campo, o jornalista gerencia o diálogo entre os funcionários e a direção da empresa ou órgão público e elabora ações para evitar crises que possam denegrir a imagem perante os consumidores. 

FOTOJORNALISMO

Uma das disciplinas mais esperadas pelos estudantes do curso de Jornalismo costuma ser a "Fotojornalismo". 

Nela, os futuros jornalistas aprendem, por meio de aulas teóricas e práticas, a captar imagens de modo a informar os leitores/espectadores sem que muitas palavras sejam necessárias. 

Sabe aquela frase: "uma imagem vale mais que mil palavras"? Os fotojornalistas adoram pronunciá-la! (risos)

E eles não estão errados. Uma reportagem sem uma imagem que chame a atenção do público, geralmente é menos interessante e, consequentemente, menos lida/assistida/comentada

Vale lembrar que, para se tornar um fotojornalista, é importante que o jornalista acrescente à sua formação um curso de fotografia. 

JORNALISMO TEMÁTICO

Esse nada mais é que o jornalismo especializado. Sabe quando você lê um site somente com notícias de esporte? Ou outro com reportagens sobre cultura? Ou mesmo quando você assiste a um canal de TV especializado em meio ambiente? Pois bem... Quem está por trás desse trabalho é o jornalista que se especializou em determinado assunto

Um jornalista esportivo, por exemplo, entende as minúcias do esporte e pode, assim, escrever reportagens mais elaboradas; ao contrário de outro, que não tem essa especialização e que, por isso, acaba por tratar do assunto de forma mais superficial. 

O jornalista que opta por um assunto em específico se destaca no mercado não somente por seu conhecimento, mas também pelo modo como esse conhecimento é transmitido para o público leitor/espectador

_______________________________________

Bom, essas são as principais áreas de atuação de um jornalista. 

Espero que esse texto tenha os feito conhecer um pouco sobre essa profissão tão diversa! 

Em breve retornarei aqui para tratar do MERCADO DE TRABALHO PARA O JORNALISTA

Até a próxima publicação!

 

Jornalismo e Comunicacão

UCAM Academy
Ulli Marques
Ulli Marques Seguir

Jornalista e professora na Ucam EAD. Mestranda em Cognição e Linguagem (UENF), especialista em Literatura, Memória Cultural e Sociedade (IFF), bacharel em Comunicação Social e licenciada em Letras (Língua Portuguesa e Literaturas).

Ler conteúdo completo
Indicados para você