[ editar artigo]

Nervosismo na hora da prova: como evitar?

Nervosismo na hora da prova: como evitar?

Período de provas iniciando e, com ele, aquele frio na barriga, nervosismo e medo do branco na hora “h”. A ansiedade faz parte da nossa vida, é inevitável, mas não podemos deixar que ela tome conta da situação!

Isso tudo pode ser gerado por vários fatores, como: vivências anteriores de muita cobrança, decepção por um desempenho ruim com pessoas importantes, recordações de situações traumáticas de forte ansiedade, reprovações, desmotivação, medo de ser incapaz... mas o fator mais influente para o nervosismo nas provas parece ser mesmo a expectativa dos próprios estudantes.

Assim, ao acreditar que irão mal, provavelmente ficarão mais ansiosos na hora da prova.

O famoso “branco” que geralmente ocorre em situações estressantes é uma incapacidade temporária de recuperar uma informação que já foi aprendida. Tem-se a sensação de que a resposta está na ponta da língua, mas que não se consegue lembrar. A boa notícia é que, na maioria dos casos, esse bloqueio passa rápido, e, em um ou dois minutos, já ocorre a lembrança da informação.

Bem, mas o que fazer para evitar e lidar melhor com essa situação de nervosismo e estresse nas provas?

A solução está na preparação!

Preparar-se bem é fundamental, pois quanto mais preparado, menos suscetível você estará aos sentimentos de insegurança que podem causar o desequilíbrio emocional.

E isso requer uma série de ações:

1Encare a prova como uma aliada do seu processo de aprendizagem. Apesar da nota ser importante, não pense na prova como se fosse um monstro aterrorizante. Veja-a como um farol que aponta a necessidade de atenção a ser dada a determinados conteúdos que precisam ser reforçados para estudos futuros. É apenas mais uma etapa entre outras para a sua evolução e não a única e possível oportunidade.

2. Estude sabiamente. Crie uma agenda e uma rotina diária de estudo para não deixar a matéria acumular e, assuma o compromisso com você mesmo. Escolha um local adequado. Descubra seu estilo de aprendizagem e foque nele. Existem métodos comprovados que permitem aprimorar o aprendizado, auxiliar no melhor uso do tempo disponível e acelerar a absorção de informações, tais como:

- Método Robinson (EPL2R): faz com que o aluno explique o conteúdo para si mesmo, encaminhando-o por cinco passos: explorar, perguntar, ler, rememorar e repassar;

- Técnica Pomodoro: trabalha com o tempo.  Pede que sejam dedicados 25 minutos para estudo e, depois, cinco minutos para descanso. De acordo com Francesco Cirillo, criador da solução, isso melhora a produtividade e o foco;

- Mapa mental: é um método bastante visual. Utilizando setas, cores e imagens, é possível conectar a imagem do tema central aos inúmeros desdobramentos dele. Assim, o cérebro entende a relação existente entre os tópicos.

Experimente-os!

Além disso, ensine para aprender! Quanto mais você ensina, mais aprende, então, ensine a seus pais, colegas, ao seu bichinho de estimação, às paredes... e aprenda sempre mais! O foco aqui é no seu processo de elaboração dos conhecimentos para ensinar... daí você identifica as lacunas entre as ideias, o que falta e o que flui bem na sua compreensão.

3. Durma bem. Pelo menos 6 horas por noite. Ansiedade e nervosismo pioram se você não dormir. Além disso, a privação de sono é ruim para a memória. Durante o sono, a mente consolida e conecta as informações obtidas no dia e o estresse reduz. Então, esqueça o “viradão” da madrugada com café e coca-cola, é muito difícil absorver algum conhecimento de verdade às 3h da manhã.  Desencane e procure ter uma boa noite de sono antes das provas.

4. Alimente-se bem. Evite o exagero no consumo de cafeína, é um excitante que pode potencializar o estresse e a ansiedade. A prova é como uma espécie de maratona mental e exige resistência, então, esteja bem alimentado e escolha alimentos que lhe forneçam energia sem gerar estresse, como alimentos ricos em proteínas, que podem levar a um maior estado de alerta mental.

5.  Faça exercícios físicos regularmente. Exercícios físicos reduzem os hormônios do estresse e aumentam os hormônios do bem-estar.

6. Mantenha a calma antes e durante a prova. O estresse prejudica a memória. Para aliviar o estresse e reduzir a ansiedade, faça exercícios de respiração e meditação. As pessoas mais ansiosas são muito mais propensas a terem o branco na hora da prova. Respirar de modo pausado, controlado, é um excelente meio de “avisar” o cérebro que está tudo bem, que não há motivo para alarme. E se o branco acontecer? Respire profundamente, avalie a possibilidade de beber um pouco de água, levante seu corpo e espreguice se possível. Ao retornar às questões, tenderá a ter mais foco e concentração.

7. Programe-se para não se atrasar. Sair correndo e atrasado não é recomendado, pois só isso já gera ansiedade. Portanto, programe seu despertador para avisá-lo do horário em que deve começar a se organizar para estar cedo preparado para realizar sua prova. Planeje seu dia para minimizar imprevistos e já deixe as roupas que irá usar separadas com antecedência.

8. Mentalize seu êxito. Antecipe e construa a cena de prova... imagine-se realizando a prova com facilidade e tranquilidade, sereno, consciente, sabendo as respostas. Veja-se com capacidade de realizá-la sem dificuldades. Visualizar o cenário positivamente é ótimo para construir a confiança. Seja otimista e acredite que é capaz! A técnica de simulação mental cria um ambiente virtual que aciona no cérebro as mesmas áreas que são acionadas durante a execução real das ações e ajuda na gestão dos pensamentos e emoções.

9. Descanse a mente. Finalmente, depois de toda a preparação, descanse a mente e se distraia, sem excessos. A mente precisa relaxar... A cobrança é um fator que contribui muito para aumentar o nervosismo. Na véspera da prova, procure pensar em outras coisas e tenha uma boa noite de sono.

10. Ajuda de especialista. Se as dificuldades para reduzir o estresse estão altas, mesmo com essas dicas, então vale buscar a ajuda de um psicólogo especializado em desordens de ansiedade. O nervosismo é algo altamente tratável pela psicoterapia, e a melhora é relatada praticamente em todos os casos.

 

Fontes: Revista Exame; Guia do Estudante; Vestibulando Ansioso.

 

CENPRE

UCAM Academy
Adriana D´Avila
Adriana D´Avila Seguir

Psicóloga, Especialista em Gestão de Pessoas e Carreiras, Coordenadora do CENPRE e Professora Universitária na Candido Mendes Campos.

Ler conteúdo completo
Indicados para você